sexta-feira, 23 de outubro de 2015

CASA DA JOANA E NÃO DA MÃE JOANA

Depois da tempestade de vento que quase tira o Guará do mapa, eu e o Caixa Preta resolvemos da uma volta por um lugar diferente,atravessamos a fronteira, a EPTG, caímos direto na famosa alameda dos quiosques,ali no Lúcio Costa, cada um maior que o outro,ocupando o território tranquilamente .De acordo com o velho Caixa, o Lúcio Costa ainda não acabou porque a irmã da única leitora da minha coluna por aquelas bandas não deixa,luta com unhas e dentes para defender os interesses da comunidade que ela adora.
Mesmo assim na maior cara de pau ,o pessoal vai ocupando os espaços públicos que ainda estão vazios da pior maneira possível.
Basta dar uma olhada melhor e logo ali na entrada além dos quiosques,deparamos com uma bela invasão de terra pública proporcionada pelos condomínios da região.
O Caixa ficou abismado com a coisa por lá,o pessoal criou até entradas personalizadas de chão batido,algumas encascalhadas,muitas delas até clube particular já montaram com churrasqueiras para nos finais de semana curtirem aquele chão invadido...um verdadeiro paraíso de irregularidades.
É preciso que o pessoal da Agefis e outros órgão fiscalizadores ponham fim naquela farra que está acontecendo por aquelas bandas.
Está na hora do pessoal passar dando uma “guaribada” nisso.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário