quinta-feira, 11 de agosto de 2016

CHEIRO DE MORTE




Lá no Porcão,eu e meu amigo Caixa Preta bebíamos a nossa cerveja, e as moscas em volta pareciam fãs ensandecidas de algum cantor sertanejo ou jogador de futebol, estavam apenas esperando a gente tirar a tampa da panela para atacar.
Parece que a Al-Qaeda tinha caprichado. Vi algo boiando no meio da gordura, procurei desviar a atenção para não começar a vomitar a comida de ontem. O cachorro do Galak me olhava e lambia os beiços, pensei estou frito...relaxei e me preparei para ouvir a história que o velho Caixa começou a contar.
“Outro dia por ali chegou um cabra com cara de poucos amigos,sentou numa mesa bem afastada,pediu uma bebida e ficou em silêncio. Vi que estava armado. Minhas pernas faziam um barulho estranho, eram meus joelhos batendo um no outro.
Logo em seguida chega um bebum meio velho, pede uma cachaça, olha em volta e dá de cara com o estranho que bebia na mesa, do nada lascou o grito: - Sua mãe é muito gostosa, uma gata...Todo mundo ficou esperando a reação. Um silêncio sepulcral,se caísse um fio de cabelo no chão,ia ser um barulho da peste.
O cara então se levantou lentamente e caminhou em direção ao bebum, sentia-se o cheiro da morte no ar. Muita gente correu pro banheiro, pois a comida aliada com o medo provoca essas coisas. Andou até o bebum encarou ele de frente e disse:- Pô!!! Tú já está bêbado de novo! Vai pra casa ,pai!!”
É mole???

Nenhum comentário:

Postar um comentário