quarta-feira, 1 de março de 2017

O ANDAIME



Depois do Carnaval nos encontramos no Porcão, como sempre. O Caixa Preta estava cheio de novidades. Ele disse que encontrou o Galak lá no bloco Babydoll de Nylon com
uma camisola cor de rosa, quase saíram na porrada! Com muito custo consegui segurar o velho Caixa enquanto dez outros seguravam o cabra que estranhamente babava como cachorro doido e os olhos vermelhos, talvez ainda reflexo da farra que tinha participado.
Quando os ânimos finalmente se acalmaram, sentamos para tomar a nossa cerveja e curtir os casos que surgiram nas festas.
O velho Caixa foi logo contando um caso que ele disse conhecer bem os envolvidos. Dois grandes amigos de cachaça se envolveram em uma tragédia que colocou um ponto final aquela amizade etílica. Parece ter sido assim segundo relato do Caixa.
Um deles bateu as botinas e o outro, cheio de cachaça, foi levar a última homenagem ao falecido. Chegando lá ficou soluçando ao lado do caixão, murmurando algumas palavras, sem acreditar que tinha perdido o amigo fiel das cachaçadas.
A viúva viu tanto carinho pelo seu marido, ficou intrigada com aquilo, aproximou-se para perguntar se o cabra conhecia o marido dela, pois o pranto já incomodava o pessoal no velório.
O bebum logo respondeu: Não só conhecia como fui a última pessoa com quem ele conversou e disse as últimas palavras.
Vendo que o bebum parecia conhecer realmente o falecido, quis logo saber quais foram as últimas palavras, pois estava curiosa em saber.
- Lembro...quando desesperado ele gritou: Não mexe no andaime senão eu caio!!!

Foi o que aconteceu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário